(Mundo) – Pandemia de coronavírus evidencia fraquezas do modelo de saúde americano

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Emergência sanitária torna um dos principais assuntos da eleição para a Casa Branca ainda mais relevante
Sem par em tantas coisas, os Estados Unidos se diferenciam também por serem o único país desenvolvido do mundo a não garantir serviços de saúde de qualidade aos seus cidadãos que não puderem pagar — a não oferecer o que a OMS classifica como uma cobertura universal. Baseada em um pouco regulado setor privado, com uma forte responsabilização dos indivíduos, a saúde já era antes da pandemia de coronavírus um dos principais assuntos da eleição presidencial marcada para novembro. A emergência sanitária aguça a relevância do tema, ao deixar expostas fraquezas do sistema de proteção social do país.

Fragmentação, baixo acesso, altos gastos com burocracia, contas de hospital altíssimas e a ausência de mecanismos de amparo que servem também para conter a propagação da doença estão entre os problemas da saúde nos EUA citados por especialistas.

Compartilhe por WhatsApp:  Guia completo sobre  o coronavírus

— A primeira coisa a entender é que não há um sistema, em termos de lógica, de racionalização, de organização, de objetivo. É um modelo muito fragmentado, com muitos buracos e muita falta de organização. As pessoas têm diversos tipos de cobertura, que variam drasticamente — afirmou Jonathan Oberlander, professor de Medicina Social da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. — Isso realmente nos fará sofrer agora. Dezenas de milhões de pessoas não têm cobertura, e podem ter medo de ir ao hospital ou fazer testes, por causa dos custos do atendimento.

Privado e desregulado

Quando a política pública de saúde se organiza em forma de rede, intervenções de diferentes níveis podem ser articuladas. A atenção primária, que, segundo sanitaristas, pode resolver 85% dos problemas de saúde sem exigir especialistas, se liga aos tratamentos mais complexos: ao ser detectado um problema grave num primeiro atendimento, o paciente pode ser encaminhado para outros centros, e depois retornar à unidade perto de casa. A prevenção, o atendimento e a resolução podem assim ser pensados juntos.

Fonte: André Duchiade

Lapa FM 104,9

 

Youtube

Nosso Parceiros

 
uniftc

Anuncie

Seja nosso parceiro, anuncie aqui!
Promoção
educa-mais-brasil

Sigam