(Alerta) – O que se sabe sobre o segundo paciente diagnosticado com o novo coronavírus no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (29/2) que foi confirmado o segundo caso do novo coronavírus no Brasil. O paciente, que mora em São Paulo, viajou recentemente à Itália — país onde o primeiro paciente diagnosticado também esteve recentemente.

Coronavírus: veja notícias e saiba como se prevenir

Segundo o ministério, o paciente contraiu o novo coronavírus no país europeu, e “não há elementos que indiquem a circulação do vírus no Brasil”.

Segundo uma nota divulgada pelo ministério, o paciente tem 32 anos e esteve em Milão, principal cidade da região italiana da Lombardia.

Ele desembarcou em São Paulo na última quinta-feira (27/2) e, no dia seguinte, após apresentar dor de cabeça, dor muscular e febre — sintomas associados à doença causada pelo novo coronavírus — foi ao Hospital Albert Einstein, onde foi examinado e diagnosticado.

O primeiro paciente diagnosticado também esteve no mesmo hospital.

Segundo o ministério, o paciente está com “quadro clínico leve e estável” e foi posto em isolamento em sua própria casa.

Em entrevista à TV Globonews, o infectologista David Uip — coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo — diz que o homem está acompanhado pela mulher, a única pessoa com quem teria tido contato após regressar da Itália.

Segundo o infectologista, o homem viajou da Itália ao Brasil com uma máscara facial, o que reduz o risco de ter transmitido o vírus para outros passageiros.

Uip afirma que o paciente será acompanhado pela vigilância sanitária do município São Paulo por meio de visitas e conversas telefônicas até que deixe de apresentar sintomas. “Depois volta à vida normal”, diz o médico.

Segundo o infectologista, a detecção de mais um caso do novo coronavírus era “absolutamente esperada” dado o intenso tráfego entre Brasil e Itália.

Além dos dois diagnósticos positivos, o Ministério da Saúde monitora outros 182 casos suspeitos de novo coronavírus no Brasil.

O primeiro caso de novo coronavírus no Brasil

O primeiro paciente diagnosticado no Brasil com o novo coronavírus tem 61 anos e também está em quarentena em sua casa, em São Paulo.

Ele também viajou a trabalho à região italiana da Lombardia, a mais afetada do país europeu. O brasileiro apresentou sintomas associados à covid-19 — doença causada pelo novo vírus —, como febre, tosse seca, dor de garganta e coriza.

Ele foi atendido no Albert Einstein, que disse ter seguido todos os protocolos estabelecidos pelo Ministério da Saúde, pela Organização Mundial da Saúde e pelos Centers for Disease Control and Prevention (CDC), dos EUA.

De acordo com o Ministério da Saúde, a mulher do paciente — que não apresenta sintomas — também está em casa, em observação. O órgão diz que outros 30 parentes dele estão sendo monitorados, pois participaram de um almoço em família no domingo, antes do diagnóstico.

Qual a gravidade do surto do novo coronavírus na Itália?

A Itália registra o maior número de casos do novo coronavírus na Europa. Até este sábado, houve 1.128 diagnósticos positivos, com 29 mortes.

Ainda não se sabe como o vírus chegou ao país. O governo iniciou uma investigação sobre um possível “paciente um”, um homem de 38 anos que mora em Codogno, cidade de 16 mil habitantes considerada o epicentro do surto italiano.

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, acusou um hospital de falhas de procedimento para diagnosticar e isolar esse homem, que foi internado em estado grave.

Suspeita-se que esse homem transmitido o vírus para sua mulher, grávida, para um amigo e para três idosos que frequentam o bar do pai desse amigo, além de oito profissionais de saúde e pacientes do hospital onde ele foi atendido.

Um dos problemas apontados pelo governo é que o hospital não tratou o caso como suspeito do novo coronavírus, já que não havia ligações claras entre o paciente e a China, e teriam se passado três dias até que ele fosse isolado.

As autoridades locais de Codogno negam qualquer falha de procedimento.

Na semana passada, o governo italiano anunciou medidas para tentar conter o surto no norte do país. Nas regiões da Lombardia e Veneto, 11 pequenas cidades estão isoladas sob um plano de quarentena. Durante as próximas duas semanas, 50 mil residentes não poderão sair das cidades sem uma permissão especial. Escolas, universidades e cinemas foram fechados, e diversos eventos públicos, cancelados.

O temor em torno da doença afetou também cidades que estão fora dessa zona de quarentena — a exemplo de Milão, capital da Lombardia, que tem 1,3 milhão de habitantes e concentra 10% da economia italiana. Jogos de futebol foram cancelados. Desfiles de moda, esvaziados. Pontos turísticos estão fechados e diversas empresas passaram a adotar trabalho remoto.

Em Veneza, que não está sob quarentena, mas está localizada em uma região (Veneto) com cidades fechadas, o Carnaval foi encerrado dois dias antes do previsto. O avanço da doença na Itália também já começa a afetar outros países. Além dos dois casos brasileiros, houve pacientes diagnosticados na Áustria, Inglaterra, Croácia, Grécia, Suíça, Argélia, França, Espanha e Alemanha ligados a pessoas que estiveram no norte italiano.

Para o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, episódios como o surto na Itália reforçam a visão de que o novo coronavírus tem “potencial pandêmico”, porém ele não acredita que haja, ao menos por ora, uma propagação descontrolada da doença ao redor do mundo.

BBC News

Lapa FM 104,9

 

Youtube

Nosso Parceiros

 
uniftc

Anuncie

Seja nosso parceiro, anuncie aqui!
Promoção
educa-mais-brasil

Sigam